terça-feira, 3 de junho de 2008

Inspiração


Inspiração é uma covardia
Quando a coragem de enfrentar me falta

É o refugio quando meus sentimentos
Foram aceites e recusados

É dizer o que perdi
E gritar o que eu ganhei sem excitar

É revelar os mais íntimos
Dos meus sentimentos

Em suaves palavras que um dia
Alguém plantou em minha mente

Palavras que um dia o vento levou
sem que a paixão me devolvesse

Inspiração é dizer tudo o que sei
Quando as falas me percam

É levar ao alto o mais íntimo
Do meu ego

É dizer tudo o que sou
Quando nada sou

Inspiração é te ver e desvendar
O que és.

É querer dizer o que eu quero
Quando todas as palavras me faltam

É escrever sem pensar
Quando algo me toca

É ser quando ninguém me
Conhece.

Inspiração é desvendar o que sou, em palavras.

Artemisa Ferreira

Pensar em ti

Essa suave brisa do amanhecer
Não me deixa
Ficar sem pensar em ti

De tanto pensar em ti
Fico a pensar o como
Entraste no meu pensamento

Já és o meu ideal
Te esquecer é uma tormenta
Que não me deixa sentir

Não sei te esquecer
Esqueço-me de esquecer-me de ti
Já não sei se existo

É mais fácil deixar de pensar
Do que esquecer-me de ti
Esqueço-me de esquecer-me de ti

Artemisa Ferreira

Olhar irresistível


De tão pouco que te conheço
Já não sei mais o que me dizem os teus olhares
Não sei acreditar naquilo que não és

O que tudo em ti me diz
O meu ser completa
A minha imaginação ajusta

Tudo o que em ti existe
Já não sei se me atrai
Mas sei que me cativa

A minha incerteza quase acerta
Naquilo que os teus olhos me figuram
À frente dos meus

Na incerteza das tuas palavras
No semicerrar dos teus olhares
Já não sei até quando ela durará

Esses olhares irresistíveis
Que prendem os nossos corpos atraentes
Quando o prazer trava nossos horizontes.

Artemisa Ferreira

quarta-feira, 23 de abril de 2008

Medo


O que é o medo?
O que significa esse terror
Que não me deixa sossegada
Que me atormenta e me estremece?

Escondo-me de tudo e de todos
Tudo me deixa aterrorizada do passado
Com terror do presente
E com medo do futuro!

O que é o medo?
Que no meu aposento não me deixa aposentar?
Tudo me torna horrível, aterrador
Tudo me arrepia, em tudo vejo monstro…

O que é o medo
Que no meu leito não me deixa quieto
Parece que todos me rejeitam?

No meu peito reina o desfeito
Tudo está desajeitado
Sem que apareça alguém
Para dar um jeito…



O que é o medo
Que me deixa perder todas as oportunidades
Que não me deixa querer,
Que me deixa rejeitar a paixão
Fugir do amor?

No céu as nuvens são monstros
Sol inferno
Lua solidão
As suas chuvas chicotadas.

Ai tudo me arrepia

Tenho medo de ter medo

Com o medo tremo quando ando…

quinta-feira, 17 de abril de 2008

Saudades


Tenho saudades
Sim, saudades

Saudades de ti
Saudades de mim
Saudades de tu e eu
Saudades de eu e tu

Sinto saudades dos piores momentos
Que nunca existiram entre nós
Recordo com saudades todos os bons momentos
Que sempre estiveram presentes…

Saudades do teu pé frio
Nas noites frias do Inverno…

Saudades do teu não importar
Que me importava muito

Saudades de tudo que tens
E de nada que nunca tiveste

Saudades que queimam
Fazem chorar minha alma toda...

Saudades de ti
Saudades da tua ironia
Saudades do teu sentimento escondido.

Sinto saudades de ter saudades de ti
Já posso sentir tantas saudades porque dói.

Sinto saudades do dia em que
Nunca senti saudades tuas…

Sinto saudades da minha saudade
Porque de tantas saudades
Já não tenho mais saudades
Tuas.


Artemisa Ferreira

Olhos da criança africana


Esses olhos tristes que me vê
Esses olhares tristes que me chamam
Esses olhares tristes que me matam


Não sei como olhar para elas
Não sei como não olhar para elas

Não sei viver sem pensar nelas



Esses olhos que choram o passado
Esses olhos que choram o presente
Esses olhos que choram o futuro

Esses olhos que choram as suas próprias lágrimas
Esses olhos que choram a solidão
Esses olhos que choram a dor

Esses olhos que vivem de esperança
E choram o destino
Choram o que será o amanhã

Aí como dói meu peito
Ao ver o que não posso fazer
Como não consigo parar essas lágrimas

Essas lágrimas que rolam
sem cansar
Essas lágrimas que choram o seu viver

Esses olhos que sofrem sem saber a sua razão
Esse olhar infantil africana,
Que sabe o que é ter lágrimas.

Artemisa Ferreira

Cabo Verde


Cabo Verde, amo-te


Cabo verde, minha alma,
Onde vou levo-te junto
Por mais longe que esteja
Distante nunca estou

Amo-te Cabo Verde

Amo-te como minha vida
Adoro-te como meu suspiro
Não sei como posso viver sem ti

Amo-te cabo verde

Cabo verde, és o meu feitiço
Atormentas-me, nunca me deixas quieta
Maltratas-me, enches-me de orgulho

Amo-te cabo verde

Enfeitiçaste-me com a magia negra
Tatuei o teu nome na minha alma
Carrego a tua morabeza no sorriso

Amo-te cabo verde

És meu e meu serás
Vida toda, te amo e te amarei
És meu e só meu!

És o que somos
Somos o que és,
Seremos sempre um só.

Amo-te, amo-te, amo-te cabo verde.

Artemisa Ferreira

Quero te sentir


Não quero esquecer o dia
Que senti as tuas mãos em mim
Percorrendo pelo meu corpo todo

Pelo meu corpo abaixo vagueava tua língua
Á procura do meu sexo
Procurando seu aroma

Não sei o que foi essa sensação
Do teu suspiro nas minhas coxas
Não sei o que senti

Meu ego me matava
Meu jeito desajeitava
Naquele suspiro meu corpo tremia nas tuas mãos

Chora meu corpo
Pedindo mais de ti
Chora querendo te sentir em mim.

Veio teu pecado sem dó nem piedade
Ponderou do meu ego Saciando minha fonte
Quero sentir-te mais uma vez em mim

Não quero que pares
Quero apenas que começas tudo de novo
Quero que me sintas.

Quero sentir-te todo em mim.
Quero sentir teu puder
Que faz chorar de desejo

Quero sentir a sensação
Do teu ser duro, com minha saliva
Quero as saborear

Quero sentir esse teu aroma 
Masculino, que me enlouquece
me faz gemer noite a dentro

Sou toda tua
me come toda

Não pares
Quero que me maltrates
Me faz sentir teu calor

Quero sentir-te em mim
Não pares, me faz sentir me faz gritar

que ainda meu desejo
te deseja


Artemisa Ferreira