quinta-feira, 17 de abril de 2008

Olhos da criança africana


Esses olhos tristes que me vê
Esses olhares tristes que me chamam
Esses olhares tristes que me matam


Não sei como olhar para elas
Não sei como não olhar para elas

Não sei viver sem pensar nelas



Esses olhos que choram o passado
Esses olhos que choram o presente
Esses olhos que choram o futuro

Esses olhos que choram as suas próprias lágrimas
Esses olhos que choram a solidão
Esses olhos que choram a dor

Esses olhos que vivem de esperança
E choram o destino
Choram o que será o amanhã

Aí como dói meu peito
Ao ver o que não posso fazer
Como não consigo parar essas lágrimas

Essas lágrimas que rolam
sem cansar
Essas lágrimas que choram o seu viver

Esses olhos que sofrem sem saber a sua razão
Esse olhar infantil africana,
Que sabe o que é ter lágrimas.

Artemisa Ferreira

3 comentários:

  1. Sinceramnete nha mana, mas um vez dja bu mostra ma bu poesia e di alma, n kuantu n staba ta le ess poesia agu djuntam na odju, pmd bu soubi mostra realidade de criança africana, parabens não so nsa fala pa mi, mas em nome de td criança africana. Parabens...Continua.

    ResponderEliminar
  2. Obrigada mano pa bus palavras ki é um força....bjao

    ResponderEliminar
  3. oi Sinceramente kel poema li tokan d mas ... e ta mostra nos impotencia en relaçao a k sta acontici na nos mundo, nos impotencia perante tal kz k sta passa... parabens pa poema e força la... Tò

    ResponderEliminar