terça-feira, 1 de junho de 2010

Beijo na parede


Passei horas à sua espera
No horizonte apareceu a sua silhueta
Num passo da luz chegou até mim

Cansado de fôlegos acelerado
Sem dizer nada
Pôs-me na parede
Beijou-me intensamente
Que me fez perder o fôlego

Rasgou-me a blusa
Mordeu-me o pescoço
Tocou-me os seios
Delirei-me

Cada vez que me apertava queria mais

Imóvel de escassos suspiros
Não consegui mexer
Do meu intimo apenas sentia um gemido
Gemido quente
Gemido de prazer
Gemido de desejo
Gemido de querer mais e mais.

1 comentário:

  1. Artemisa, cada vez mais você me surpreende com a sua clareza na construção dos seus versos que estapam o desejo, o fogo, a volúpia, a docilidade de uma femea. Que ótimo poder acompanhar o seu trabalho e se excitar a cada linha, a cada pedido seu de ser possuída. Em sonho quero ser esse SER que você não se cansa de pedir e desejar...quem sabe até essa minha vontade se tornar a mais pura realidade...

    ResponderEliminar