segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Querido



Despe a túnica do prazer, querido
Bebe o leite do meu sexo
Vê como implora tua sedutora boca 

Num fogoso e sussurrante beijo,
 devora com a tua ansiosa língua
a delicia que sou

Deixe deslizar suavemente pela tua intimidade adentro
Sente como delira teu desejo pelo meu sexo
Não se deixe ficar vestida pelo prazer, querido
Vem e devora o que sou. 

4 comentários:

  1. Gostei muito do que escreveste, é profundo, e esta muito hot cheio de sofrimento e sentimento....@ isac

    ResponderEliminar
  2. ARTEMISA FERREIRA

    Ao ler teu poema
    Rios de fogo
    Tomou conta de mim
    Imaginei teu calor
    Senti o gosto de teu leite
    Amor por ti descrito evadiu-me.

    Foi aos poucos tomando conta
    Eu cá sem vergonha de dizer
    Repleto de emoções
    Rios de prazer sem limites
    Encheu de vontade de viver
    Imaginar um mundo libido
    Reescrito no desejo humano
    Antes vivido no impune paraíso terrestre!

    JOÃO FURTADO

    ResponderEliminar
  3. ARTEMISA FERREIRA

    Ao ler teu poema ARTEMISA FERREIRA
    Rios de fogo gelado
    Tomou conta de mim
    E me senti nas nuvens do amor
    Mesmo sem querer
    Imaginei teu calor escaldante e
    Senti na boca o gosto de teu leite
    Amor por ti descrito evadiu todo o meu ser…

    Foi aos poucos tomando conta de mim
    Eu cá, sem vergonha de dizer
    Repleto de emoções
    Rios de prazer sem limites
    Encheu de vontade de viver
    Imaginar um mundo libido
    Reescrito no desejo humano
    Antes vivido no impune paraíso terrestre!

    João Furtado

    ResponderEliminar