quarta-feira, 28 de dezembro de 2011


Nta kria pa bó era kasaku
Pa mi era boton
Pa bu raganha
Pam entra na bó
Pa nu taka na kumpanhero
K nem deluviu ka ta conseguiba podriseba nos

Mas infelismenti
bo é bó
mi é mi
Dos sentimentos
Dos padas di alguém
K forma um

Dos padas de alguém
Longe tão longe
K láguas ta forma na bu odju
Ta corri na nha rosto

Dos padas di alguém
Longe tão longe
Ki bu corpo ta sua
Ta pinga purfumo na di meu

Um purfumo
K ka rosa, ka jasmim, 
Ka lírio, ka tulipa, ka kanela
Um purfumo mas puro k agu na rubera
Sem txero, sem gosto
Um purfumo k é mi ku bo…

terça-feira, 29 de novembro de 2011


hoje acordei do teu lado no meu sonho
tive a oportunidade de beijar teus manhosos lábios
num sono profundo

tive a oportunidade de observar o teu sorriso maroto
quando os meus lábios tocara aos teus
estavas a sonhar ou á espera?

Fiquei sem saber… porque acabei por acordar.

MULHER


Corpo de violão, todos dizem


Concordo ou tenho que concordar?
Não sei, talvez!

Mas ela flutua no seu andar
Rebola no seu falar
Esbanja sedução ao deitar

Farta de desejos contra o peito
Num jeito jeitoso serve o que de melhor tem
A o que de melhor sabe provar

Ela é o que o mar rejeita, ajeita e respeita
Ela é o que os ventos sopram e seduz
Ela é o que o mundo condena, ama e quer

Num piscar de olhos conquista
Num mover dos cabelos faz-se amar
Num aceno convida
Num sorriso acolhe

Ela é o que me detesta e me quer
Ela é o que ajeita o fora baralho
Ela é o que geme quando quer
Suspira quando gosta
Grita quando adora

Ela é aquela que vestida de sensualidade despe a sedução
 ao encanto daquele que sabe o que é uma obra de arte

ela é aquela que é a MULHER



quinta-feira, 4 de agosto de 2011

NOITE QUENTE


a tarde que se foi
foi um orgasmo perdido

o fluido daquele sol
que envergonhado desapareceu
era um tesão sumido

o gemido de uma noite a apontar
era um sonho a renascer

a lua despiu-se de esperança
eu vesti-me de solidão

naquela noite tesa de solidão
dormi sob o ejacular do meu sonhar

quinta-feira, 23 de junho de 2011

teson dexadu

É txiga é ka flan nada
É ka ri é ka papaia
Ami xintadu ta spera um oi

É labanta é djobem
É da um passo um passo
ti ki é txiga na mi

é dam na parede n´gemi
canto n’ta xinte djé lapiba na mi ta namuram
Sima n’tinha sodade del é namuram n’namural

N’xinte si mó ta subim na brasu
Di ripenti riba´l nha mama ta corri
Perna tremem rabadidja comesa ta dan latxi

É dixi ku boka na nha piskos é mordi ui ui ui
É abrim perna dixim kalsinha
Metem dedu na bakalhau ai ai aia mmmmm

N’deseja pa tempo pára
Pa horas disaparesi
Pa mundo kaba pa nu fica nos três mi kol ku teson

Mas di ripenti é poi boka na nha obidu é flam
“Hoxi ti si kim sata dau n’tem k bai”
Perna treme rabadidja puxa boka
É tram dedu di bridja é txupa ui

N’bai pam papaia é pom mó na boka é fla
“Hoxi nka kré obi num palavra di bu boka
Apenas nkré bai ku gosto di bu cabadura na nha boka”

quinta-feira, 24 de março de 2011



Ao meio da noite pelo telefone
Fala-me da ansiedade do seu Falos
Que despertou ferozmente de um sonho enlouquecido
Transpirando suor de desejos
Faço de despercebida
Mas o aljôfar da minha Vulva denúncia me pela sua ansiedade

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Saudade do meu amado


Porque demoras tanto, querido?
A minha alma está desassossegada
Já não aguento mais essa ausência
O meu corpo reclama pelo teu calor
Sobre o meu corpo derramam lágrimas de desejo.

- Não te desesperes, querida
O teu fôlego denúncia o desejo que entranha a tua carne
A minha ausência... ela carrega a culpa do teu desassossego

- Não demores, que a minha ansiedade é enorme
A minha paciência já é pouca
Esperei... cansei-me... o esperar é o que mais me assusta

- Já não vou mais demorar
Aguente e me espere
Feche os olhos e respire fundo
Toque de mansinho no teu corpo
Toca o teu corpo de alto a baixo
Toca nas tuas entranhas... nas tuas profundezas
Toca no interior do teu ser... na tua carne viva tesuda
Deixe que eu sinta o fôlego do teu tesão

- ai ai ai! - como dói a tua ausência, querido
Não me deixe limitada ao meu toque
A punheta é boa, mas teu gosto é bem melhor

- Vá lá, querida! Toque e deixe-me sentir teu fôlego
Acaricie os teus seios... os teus mamilos duros... duros e tesos...
tesos de tanto prazer...
Desce e toque as tuas entranhas
Deixe-te ejacular nas tuas mãos
Quero chegar e chupar os teus dedos.