segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Saudade do meu amado


Porque demoras tanto, querido?
A minha alma está desassossegada
Já não aguento mais essa ausência
O meu corpo reclama pelo teu calor
Sobre o meu corpo derramam lágrimas de desejo.

- Não te desesperes, querida
O teu fôlego denúncia o desejo que entranha a tua carne
A minha ausência... ela carrega a culpa do teu desassossego

- Não demores, que a minha ansiedade é enorme
A minha paciência já é pouca
Esperei... cansei-me... o esperar é o que mais me assusta

- Já não vou mais demorar
Aguente e me espere
Feche os olhos e respire fundo
Toque de mansinho no teu corpo
Toca o teu corpo de alto a baixo
Toca nas tuas entranhas... nas tuas profundezas
Toca no interior do teu ser... na tua carne viva tesuda
Deixe que eu sinta o fôlego do teu tesão

- ai ai ai! - como dói a tua ausência, querido
Não me deixe limitada ao meu toque
A punheta é boa, mas teu gosto é bem melhor

- Vá lá, querida! Toque e deixe-me sentir teu fôlego
Acaricie os teus seios... os teus mamilos duros... duros e tesos...
tesos de tanto prazer...
Desce e toque as tuas entranhas
Deixe-te ejacular nas tuas mãos
Quero chegar e chupar os teus dedos.