sábado, 22 de dezembro de 2012

Afunda


O sufoco tenso do órgão
Sufoca e enlouquece os membros,
o redondo rolo
que rola e enrola
suave desliza numa penetração pela boca,
o falo hirsuto desliza e penetra
garganta funda,
a ansiedade de sair e o querer ficar
resume-se em tesão,
quanto mais se penetra
o falo estica e endurece…
num encontro com o vómito
no silêncio dos gemidos
o grito da boceta
acende e acalma
o querer e o não querer
da garganta contra o falo.

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

É kusé?

modi kim podi fla é amor?
modi kim podi fla é ka amor?
oras ki bu poi bu mó na di meu,
ki bu n'gosta boka na nha piskós bu da kel folgu suave,
ki pé di galinha ta labantam na korpo,
ki nhas ossos ta torna bus dentes,
ki nha pele torna bus lábios,
ki nha suor torna bus salivas?

kusé kim podi fla,
oras ki bu lebam na bus muskulos,
bu detam suave na bus nuvens
ki bu korri di riba pa baxu
bu korri di baxu pa riba
na nha deserto,
undi só bus beijos é soluson pa si sekuras?

flam é kusé,
oras ki bu modja nha jardim ku bu língua,
ki bu txupa suavemente néctar de nhas rosas
ki murgudjadu na desejus bu ta gemi dor de ternura
e grita sufoku de teson?

É kusé??

imagem

domingo, 2 de dezembro de 2012

SI, si

si bu palpal bu ta kumel
si bu txeral bu ta lembel
si bu pol lingua bu ta txupal
si bu pegal ka bu largal
si bu duspi é pa bu ka fika na friu
si biroti stika bu ta metel
si bu kumel ka bu dexal ku teson
pamodi rabadidja ku gana
é pior ki barriga ku fomi

imagem

kabadura


suave
fresco
morno
agre-doce
o branco que sai
à pele torna-se transparente
num salto um golo
num cesto uma fruta transforma

quando na boca entra
é sugado pela língua
quando na garganta desliza
os desejos florescem

imagem

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Quando o biroti não quer



Porque não consigo chorar
Já sei! Não tenho olhos
a boca não muda
a posição mantém-se
a carrasco chega
muda-se de lugar
o rabo que esquenta
- esfria-se -
a erecção que me serve
morre no chuveiro
reivindicar não posso
Queria pedir
Queria ser apalpada
Queria ser chupada
Queria apenas mocar,
foder, transar, não sei,
não importa
Queria ser comida
                          mas...
apenas entra o ar
que esfria a quentura do meu vermelhão. 

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Boka tardi

Na fuku-fuku di boka tarde
na madorna sol sukundi kabesa,
brinkadera komesa
pa ka fla korida,
na trabessa tanki
dentu fodjada mamai
n'brudjadu kai na fixon

murmuri baxu pa katxor ka obi,
boka na kumpanheru
mó na katxu d'obo
rabadidja skecedu
pamodi k sta na moda é katxor na mota

ora bem,
ora bai
orbadju kai
massapé kola na mama kadera
kanto leti ta kai
boka dja abriba.

Imagem 

terça-feira, 23 de outubro de 2012

distinu di um rabadidja



Oras ki kel mó txiga na mi ki raganham
nka ta txora pamodi nka tem odju
mas sim tinha grã nta fikaba burmedju
Oras km ka kré, ki el é kré
apenas ntem ki kré
Três na um
dos dedo ta raganha
um língua ta locoti
Nka kré mas ntem ki kré

É si ki é nha bida
distinu di um rabadidja sem teson

Oras ki língua sai, biroti entra
korpo ta tremem
boka ta puxa
sem kré mas ntem ki kré
Oras ki kabesa kré
nka podi fla nau
Ntem ki raganha
sem nkré, ntem ki kré
Intxadu
Pertadu
Fitxadu
Raganhadu 
ta txupam ta usam
Sem nkré ntem ki kré…

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

Aquele cu



Quando nas minhas mãos assentava seu rabo
o hímen do seu furo puxava meu dedo
Aquele rabo estreito e apertado
queria comer
Naquela madrugada de chuva 
de nuvens escuras
transpirei-me de tesão
o brio gritou por dentro
- a imaginação começou – .
Pelo seu rabo percorria a língua
soprava-lhe o ânus
mordia-lhe as nádegas.
Quando não há pénis
o vibrador come…
Como escravo
fiz-lhe de cadela
comi-lhe o cu.
Aquele ânus gostoso e apertado
gemia uma dor que já era tesão.
chorava arrependimento
derramava inocência.
Como Chantipa
quanto mais ele chorava
 mais o tesão possuía-me.
Não queria saber das dores
Já que são dele
Pensava apenas em montar aquele veado. 
 - acordar -.

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Garfunha na punheta



Txuba na rua
Petu ta treme
korpo ta rapia
Luz dja bai
Sukurru dja fitxa
Pé ka ta anda
Odjo ka ta odja,
Só mó na movimentu.

Mó subi riba
korri baxu
ti ki é atxa fexu
joelhu na txon
odju kordadu na sonu
boka abertu
denti na fexu
língua na trus
na kel sukurru klaru
boka garbata
língua buska ti k atxa.

Kel kabesa kareka
temperatura kenti
gostu salgadu
rondodu e kumpridu
kabesa ratxadu .
língua tenta entra
mas pertadu k só orina k ta sai
sem soluson língua txupa
kantu é ta xinti é tinha el na
garganta ta inguli.

sem presa nem preokupason
é mama kel biroti kenti.
Na um djunta mó
é txupa é mama
leve, leve...
Komesa di kabesa
Sustel ku mó
sima é ta txupal
é bata dal kel punheta
é trabadjal ti ki
bambandero bota leti .

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

No fodas

quando na minha cintura
as suas mãos tocam
o reflexo acende,
começo a rebolar
ao som do meu pensamento.

Sentada sobre seu pau
as ancas rebolam
o rabo chupa
(e) o hálito do seu teson
sobe pelo pescoço.

 mexo, mexo
rebolo e sinto-o pelo rabo.
pelos meus seios
suas mãos trepam,
o gemido abafado
soa dentro de mim.

hoje não quero foder
apenas quero sentir o teson
do seu pau trisando no meu rabo.

domingo, 2 de setembro de 2012

O Chupar


Entre as florestas da sua vagina,
encontrava a gruta da sua morte.
os veados que por ali passaram,
perderam a direcção do destino.

De olhos hipnotizados,
tropeçaram nos favos... 
(vermelhos da laranja).
Ajoelharam-se e chuparam,
chupando chuparam.

Deitados de cócoras 
de cabeça e língua...
prenderam-se -
no suco da laranja
da virgem mata.

A floresta matada
cobria os bafos
daquele veado
que vendado e viajado
apenas sugava e chupava o seu doce favo.