quinta-feira, 15 de março de 2012

Despida e nua
lambia a escuridão da noite
hipnotizada pela sensualidade
cega entrega-se à calma brisa
Exibicionista e determinada
de tesão penetrando a carne
a lua comia-a com o seu sorriso assassino

Rasgando a noite com o seu gemido
no surdez do desejo
ejaculou no grito da madrugada

2 comentários:

  1. Do outro lado da banda,
    as rochas reclamam da força incessante
    Dos oceanos que lambe-lhes as grutas
    Por entre as rachas quentes da crosta
    Movido pelo móvel núcleo que lhes sufocam
    As gargantas sedentas
    Por esporrar das brumas :P

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. vou deixar que meu silêncio responda...

      Eliminar