terça-feira, 10 de julho de 2012

um aíí tempradu

na cozinha o cheiro da carne invadia o ambiente,
bistidu de grade,
rabadidja na montra,
kalor na ponta pé.
é staba nha trás
si folgu correm na piskós,
ratxam bistidu é fuliam riba fogon.
sem sensibilidade é puxam kabesa
é komesa ta bejam pa alguns segundus.
é komesa ta dixi ku lingua na nha piskós
txiga na nhas petos é mamam sima menino ku fomi.
n'xinti nhas mamas dentu si boka,
lumi komesa ta sendi dentu mi,
nka grita, nka ui nka aí,
n'pára na tempu, mundu komesa ta da volta.
é dixi ku boka levi-levi,
um beju na biku txapu - sima é tinha pressa é ka pára la.
kanto é txiga riba nha penti - n'rapia.
é sopra na kabesa nha goela - n'grita - kel goh nka aguenta.
é dam dos palmadas é fuliam na txon di kuzinha.
marram mó, pom korda na piskós
é fazem si skrava,
ku xikoti na mó é dominam.
kel masukismu kim tem dentu mi grita di sabura.
é pom di juelho é komesa ta lembem,
é lembi de rabu pa rabadidja,
di costa é poi kabesa entri nhas juelhos,
é komesa ta lembi  ta txupa,
é meti lingua é fazel disel.
di korda na piskós,
abrim pé é metem kel biroti k sem perguisa Deus fazel el.
sem konta é metem el tudo dentu mi,
ta mukam ta txomam di tudo nomi ki bem na kabesa.
é kumem sem dor na txon di kel kuzinha,
kada gemidu um posison.
regam ku vinhu é jantam
na um 69 é fazem inguli kel fanadu ku nata mal passadu...

Sem comentários:

Enviar um comentário