quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Garfunha na punheta



Txuba na rua
Petu ta treme
korpo ta rapia
Luz dja bai
Sukurru dja fitxa
Pé ka ta anda
Odjo ka ta odja,
Só mó na movimentu.

Mó subi riba
korri baxu
ti ki é atxa fexu
joelhu na txon
odju kordadu na sonu
boka abertu
denti na fexu
língua na trus
na kel sukurru klaru
boka garbata
língua buska ti k atxa.

Kel kabesa kareka
temperatura kenti
gostu salgadu
rondodu e kumpridu
kabesa ratxadu .
língua tenta entra
mas pertadu k só orina k ta sai
sem soluson língua txupa
kantu é ta xinti é tinha el na
garganta ta inguli.

sem presa nem preokupason
é mama kel biroti kenti.
Na um djunta mó
é txupa é mama
leve, leve...
Komesa di kabesa
Sustel ku mó
sima é ta txupal
é bata dal kel punheta
é trabadjal ti ki
bambandero bota leti .

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

No fodas

quando na minha cintura
as suas mãos tocam
o reflexo acende,
começo a rebolar
ao som do meu pensamento.

Sentada sobre seu pau
as ancas rebolam
o rabo chupa
(e) o hálito do seu teson
sobe pelo pescoço.

 mexo, mexo
rebolo e sinto-o pelo rabo.
pelos meus seios
suas mãos trepam,
o gemido abafado
soa dentro de mim.

hoje não quero foder
apenas quero sentir o teson
do seu pau trisando no meu rabo.

domingo, 2 de setembro de 2012

O Chupar


Entre as florestas da sua vagina,
encontrava a gruta da sua morte.
os veados que por ali passaram,
perderam a direcção do destino.

De olhos hipnotizados,
tropeçaram nos favos... 
(vermelhos da laranja).
Ajoelharam-se e chuparam,
chupando chuparam.

Deitados de cócoras 
de cabeça e língua...
prenderam-se -
no suco da laranja
da virgem mata.

A floresta matada
cobria os bafos
daquele veado
que vendado e viajado
apenas sugava e chupava o seu doce favo.