terça-feira, 23 de outubro de 2012

distinu di um rabadidja



Oras ki kel mó txiga na mi ki raganham
nka ta txora pamodi nka tem odju
mas sim tinha grã nta fikaba burmedju
Oras km ka kré, ki el é kré
apenas ntem ki kré
Três na um
dos dedo ta raganha
um língua ta locoti
Nka kré mas ntem ki kré

É si ki é nha bida
distinu di um rabadidja sem teson

Oras ki língua sai, biroti entra
korpo ta tremem
boka ta puxa
sem kré mas ntem ki kré
Oras ki kabesa kré
nka podi fla nau
Ntem ki raganha
sem nkré, ntem ki kré
Intxadu
Pertadu
Fitxadu
Raganhadu 
ta txupam ta usam
Sem nkré ntem ki kré…

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

Aquele cu



Quando nas minhas mãos assentava seu rabo
o hímen do seu furo puxava meu dedo
Aquele rabo estreito e apertado
queria comer
Naquela madrugada de chuva 
de nuvens escuras
transpirei-me de tesão
o brio gritou por dentro
- a imaginação começou – .
Pelo seu rabo percorria a língua
soprava-lhe o ânus
mordia-lhe as nádegas.
Quando não há pénis
o vibrador come…
Como escravo
fiz-lhe de cadela
comi-lhe o cu.
Aquele ânus gostoso e apertado
gemia uma dor que já era tesão.
chorava arrependimento
derramava inocência.
Como Chantipa
quanto mais ele chorava
 mais o tesão possuía-me.
Não queria saber das dores
Já que são dele
Pensava apenas em montar aquele veado. 
 - acordar -.