sábado, 31 de agosto de 2013

Despejo


Dormi solteira
Acordei viúva
Cheira a enxofre o colchão
A santidade das minhas coxas alcachofraram
Seria castigo se fosse religiosa
Como sou vadia, nem os demónios aguentam
O calor que inflamam as entranhas escaldante(s)...

Dois em um

O suor que caiu não chegou à banheira
Suadas as mãos, percorreu pelo oceano obscuro
O fio que correu sumiu com o fôlego
Chupou,  sorveu a milímetro os poros

Sem xinti djan kré
Sem kré djan xinti

Pulou os lábios
Ignorou a língua
Sumiu nos beijos

Mama rapia
Sentura kurva
Pé roda

 Alucinada a língua
Deslizou sobre a pele suada
Travou entre os seios
Apoiado nos lábios saboreou o que de bom tem os mamilos. 

domingo, 18 de agosto de 2013

Na tarde

Vestida de gravata
sob o teclado dos dedos
servia como aperitivo a fogosa mousse,
regada de gozo, no chão da cozinha,
de escroto aos cachos
lambia a meada da sua bunda como um doentio mortal.

No sopro do vento as estações mudaram
o gosto dos favos rebolava entre os dentes
as bagas que cairiam sumiram pela barbela

quinta-feira, 8 de agosto de 2013

insignificante

O coito interrompido pela garganta
Deixa o desejo por fazer
Seca o corpo, escasseia o falar

As santas pernas que abriram
Murcha a mata orvalhada
O mel que jorra pela levada – esvanece
O infausto cacho desfaz ao infeliz
O desgraçado burro que o carrega falta por merecer. 

quarta-feira, 7 de agosto de 2013

Bordão

O morto órgão que transforma – enche a boca
a garganta aperta
o fôlego falha
a cachorra despe,
o caralho que mergulha 
penetra pela furna,
não incomoda mas molda
mosca o medo
chama a ânsia,
a porra que sai rebola sobre a língua
o que resta desce pelos vasos e alimenta a puta da krika,
balançado e esticado morre entre o chão e o colchão o malvado foda

segunda-feira, 5 de agosto de 2013

Venenosa

Grandes lábios
Prazeres mortais
Quebrei o segredo do nosso prazer
Quando mergulhei no vermelho dos teus lábios

Perdi-me na sedosa mata
Quando tiraste-me o guia.
Cega a língua guiou-me
Por entre as fendas vermelhas
Sugando o líquido viscoso,
Penetrando pelo escuro do labirinto
Chupei e suguei o suave veneno da loba

O bafo a esperma sugado pela garganta - leva ao alvo
A noção do quarto e da rua fundiram-se
E o desejo de comer e ser comida aumentou.

domingo, 4 de agosto de 2013

aquela

Sou aquela puta que entre teus favos suga o leite
entre teus seios segreda-te pleonasmo.
sou aquela puta curiosa virgem de tesão
aquela que carrega a curiosidade de ser saciada
aquela puta atrevida
aquela que a sociedade chama de puta
só porque escreve aquilo que a sociedade faz...

sexta-feira, 2 de agosto de 2013

talbes

Hoxi djam kria serba bu otu pé di sapatu
Kel pé ki ta fikau justu konta bu pé

Djam kria serba hoxi bu pijana
Pam podia fikaba na bu kodjon ti manxi

Djam kria hoxi simplismenti serba
Bu baxu skrava e bu riba limária