domingo, 6 de outubro de 2013

Espiral

A sala era enorme
 no canto isolado, um lingerie solitário
a cada passo o centro aumentava
o espiral do canto fundou o do meio


por ser grande,
obriguei meu macho a trazer uma amante para cama 
-  as almas dividiram -
as pétalas transformaram em frutos
os frutos em rosas
o jardim que já foi das abelhas passaram a ser dos morcegos.

No chão onde os órgãos embriagaram
a língua passou de rastos,
O que pela boca correu
foi amparada pela vinheta...
A torneira que esticado ficou, perdeu a partida 

100 nome

lansadu dentu nha ragás
bu alma bira strumo
karapatido na nha raiz.
Nha korpo é bu pardueru
Kada bes k'm xinti bu fôlgu, um pedra ta kai,
Si riba kutelu era kareka,
bentu Fogo dja lebaba nha spritu