domingo, 28 de dezembro de 2014

LB

Ensopada... a língua entra não penetra 
sai e fica à porta

O terreno invadido está imóvel
o sedoso inimigo funda e chove meteoros

O arrepio vendou os olhos
ao choque os lábios masturbam-se

A língua desprende perde os sentidos
é chupada pelo inferno tubo do bode

A chuva que rola em véu
é tragada pelo manto húmido 
que lambe e chupa o que de fora escorre

O beijo é o ponto final

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Entrega-me a ti

Empresta-me teu ouvido
preciso suspirar as gotas do desejo
que a tua aura ejaculou em mim

Entrega-me o teu todo
                                 Não falharei
Cuidarei com a mesma sede 
que teus toques beijaram-me a pele

Entrega-me o todo 
que tua presença o horto molha.

sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

VI

Queria poder saber amar uma pessoa
que não é nem homem nem mulher
que poderia responder-me aos momentos de ser homem
e corresponder-me às loucas noites de ser mulher

Queria poder terminar a vida com a sabedoria de que amei
aquela que o passado condenou-me o corpo

Instalei-me no agora
igualando os segundos aos passos, 
Urdo o presente sem amar
com as rédeas do passado aos ombros

quinta-feira, 2 de outubro de 2014

1bes

Mesmu si for bistidu
Dja’m kria staba ku bó

Sem pé
Di duedju
N’ta rodaba Santiagu
Só pa’m detaba na bu parapetu
bebi agu di bu kaxuera
kel agu ki ka ta kai ka ta pinga
kel agu ki oras ki soma na pontal bika
en’bes di freska’m ta kenta’m
dja’m kira staba ku bó mesmu sem staba ku bó

terça-feira, 26 de agosto de 2014

xintidu

N'ta spera ma oras k'm txiga
Inda n’ta atxau la
Ku nha nome na garganta

N’ta spera ma oras k'm txiga
kel kutelu inda ta sta la
Pan grita bu korason di dentu’l rubera ti sai txada

N’ta spera ma oras kim txiga
Inda n’ta atxau la
Nem si for padaz-padaz
N'sta bai sem pressa

Nhas ponterus dja ka kai
Minutos dja ka perdi
Djam perdi razon de djob na mó
Óu prinda na parede
Pur issu - n'sta bai ku um maleta tempu
Assi n'ta djuntau tudo padaz

Nha xintidu teni medu kontam
Nha pensamentu teni vergonha konsedjam
Mas nha korpu dja flam mé di bó

terça-feira, 8 de julho de 2014

Rascunho

Renunciei à virtude ao pisar teu leito
a falsa divindade que à devassa esconde, evapora-se

Quando teu pau pelo meu ânus escala
sinto a pureza da putaria escorrer-se,
as putas honradas agradecem,
grudada ao teu pau faço jus ao nome.

sexta-feira, 23 de maio de 2014

Ontem

tua língua tinha um gosto
aquele gosto de querer partir e vontade de ficar,
ao não saber o que fazer
obriguei a minha a prender a tua ao paladar.






Um pontu

Dja dan vontadi di teni vontadi di kel vontadi
ki sodadi sopra
ki rikordason sukudi
Ki adiós kumpra
djam kria ao menus tinha tempu di skesseba di kel vontadi di tem sodade di bó
Mas kuse kim ta fazi si nem tempu di skesseu nka teni?!

Djan kria tinha kel vontadi di teni vontadi

sábado, 12 de abril de 2014



Troquei a vida pela paixão
Empurrei a alma nos degraus
Acolhi o sentimento
Embrulhei-me
Embarquei nas águas lunáticas
Tropecei ao subir
Acordei na mesma água
Ao tentar esquecer-te, lembrei-me de nós.

sexta-feira, 11 de abril de 2014

Traz



É pidi traz.../
 
É dal traz
É toma traz
É dal traz
É toma traz
É intregal traz
É lembi traz
É vinera traz
Frenti fitxa boka
Repirason bira dor
Traz abri
Mó mexi
Boka pupa
Korpu kenta
Pensamentu n’brudja
Mas… paké pensa oras k karalhu ta papia?

Cor minha



Atravessando fronteira
Não sabia que arma usava
Percorri o parque
Escutei o vento
O mar empurrou-me
A encosta amparou-me
Queria que fosses território meu
Por isso utilizei a língua púrpura

quinta-feira, 10 de abril de 2014

à minha



Senta-te aqui,
nos meus lábios
não preocupes,,, as luzes apagam-se
Entrega-me o que é meu
não esqueças de subir e descer
Assim: leve, suave, devagar e apertado
quero lamber ao milímetro

Segura as ancas        
entrega-me as coxas
que elas pertencem-me


sexta-feira, 28 de março de 2014

Mocho



a noite aproxima
a ansiedade chora
os mochos cochicham,
não demores...
                     - que...
meu marido levou minhas vestes
estou obrigada a ficar nua à tua espera,
o vento que atravessa o vale
jorra inveja e deixa-me fria

Não demores:..
                    desperdício meu..