quarta-feira, 15 de junho de 2016

meu vinho

sopra assim, assim...
          morde os cantos
          os lábios calam-se

sopra assim, assim...
         muda a língua
         assim, assim quente
             o governo também o faz

desce e sopra assim, assim
            vamos mudar
            os ventos mergulharam na corrente

morde assim, assim
           aos pés salientes dos seios
           deixa que a pele sinta as garras da tua corrente

sopra...deixa balancear esses vulcões
            que carregam os pés das tuas costas
            preparei os dentes para amparar o vinho que jorra entre eles